domingo, 8 de fevereiro de 2009

Cala a boca, cachorro sarnento! Continuação...

Cara Anônima,

É uma pena não poder escrever essa mensagem com o seu nome. Mas tudo bem, espero que possa ler esta mensagem posteriormente. Acredito que entendeu mal o que eu escrevi. Em momento algum eu quis dizer que as traduções estavam ERRADAS (salvo a minha crítica à tradução do título – mas saiba que as traduções no Brasil chegam a ser muito piores. Já ouviu falar do filme “O poderoso Chefão”? Essa foi a tradução dada no Brasil para o “The Godfather” que em Portugal foi traduzida corretíssimamente para “O Padrinho”). Muito pelo contrário. A ideia do meu blog (recém começado, por sinal) é, exatamente, mostrar as diferenças existentes entre as duas variantes do português. Os meus comentários - não críticas - são a minha visão como brasileira que está aqui em Portugal e que observa como uma mesma palavra ou expressão dita aqui é diferentemente dita lá. Sou uma estudante de línguas curiosa com o seu objeto de estudo. Não quero ofender a variante de Portugal (como várias vezes já fui ofendida pela minha), e nem criar polêmicas sobre essa questão. Acho essas diferenças divertidas e gosto de partilhá-las, de falar sobre isso, de rir delas. Essa é a razão de ser do meu blog. Enquanto eu estiver em Portugal, e principalmente porque sou estudante de línguas tenho de estar aberta às diferenças linguísticas, razão pela qual aqui me encontro. E não acho que as traduções são erradas e mal feitas (não entendi as aspas que pôs, afinal, como pode conferir, não escrevi nada disso), tenho um grande respeito pelos meus - futuros - colegas de profissão. Só as acho interessantes e divertidas, e meu senso de humor permite-me rir disso tudo. Devia ver isso como algo interessante, não se sentir ofendida. Exatamente por estudar a língua portuguesa (em todo o mundo) tive que comprar não só o dicionário português mas também a gramática, o dicionário etimológico, e vários textos escritos em PE e PB. Por acaso, meu professor catedrático da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa recomendou-nos o melhor dicionário da língua portuguesa que, por acaso, é o Houaiss, versão brasileira. Se quiser seguir a dica, compre um também. Por fim, acho bom que tem orgulho da sua pátria, também tenho da minha, mesmo estando longe por uns tempos, a estudar. Devíamos as duas ter orgulho de uma outra pátria que não coloca questões como as que colocou, mas que nos une em uma só. A Pátria da Língua Portuguesa.

Raquel

2 comentários:

  1. O fato de existir tantos idiomas é que demonstra a diversidade do mundo, imagine entao a diferença de idéias! (e interpretacoes).

    Tento ver tudo de uma maneira bem humorada como vc, mas esses contratempos surgem mesmo nos blogues, seria normal se não acontecessem.

    Eu acho que aqui a gente faz e fala o que bem quiser e entender, não foi à toa que escrevi ´essa é a parte da minha vida que chamo de liberdade` no meu cafofo. Acho isso perfeito!!! E quando sou questionada gosto de dar o retorno, como vc fez agora.

    Compartilhar as idéias nos blogs nao é uma troca de ofensa anônima, nem obrigação, é um prazer.

    Boa semana, assunto encerrado.

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.