terça-feira, 14 de abril de 2009

Bom dia


É primavera. Estou em Budapeste. Apesar do tempo livre para dormir até mais tarde os primeiros raios da manhã andam me acordando às 7h da manhã. Adoro! Da janela lateral do quarto de dormir entram os raios de luz do meu bom dia. Junto dos seus, também brilhantes, olhos amarelos, acordo feliz. Ininterruptos dez bons dias. Uma mistura de sonho bom com realidade boa. Mas hoje foi diferente.
Eu sonhava. Não lembro o quê. Só lembro que algo começou a me incomodar, mas ainda estava embriagada de sono (?) para perceber. Não era o sol me acordando; aquele incômodo era ruim e aguçava um outro sentido. O sol não estava ali. Ainda? Não mais? Será que eu havia dormido demais? Culpa da vinho de ontem à noite? Não. O que aquele incomôdo aguçava era a minha audição. Música. Acordo. Eram 6:45h da manhã.
Quando consegui dar por mim sentada à beira da cama, ouvindo uma música popular húngara no volume máximo às 6:45h da manhã de uma sexta-feira, ri. Me lembrei da nossa viagem ao Brasil, há pouco mais de 3 meses. Eu me lembrava e ria. O Radek amou tudo, claro. A comida principalmente. Dentre poucas coisas que, digamos, o incomodaram, a principal foi o barulho. Não chegou a se tornar um problema; ele acabou se acostumando e não queria ir embora. Mas no começo foi visivelmente perturbador para ele. A festa de amigo oculto com o funk a 3 milhões de decibéis; as reuniões familiares com 30 pessoas juntas falando, berrando e gesticulando ao mesmo tempo a 90 milhões de decibéis; o passeio pela praça principal em Prado, na Bahia: juntando-se um trio elétrico, um mini-trio elétrico, 5 carros com seus super-ultra-mega-power-autofalantes ligados - AO MESMO TEMPO - é impossível calcular a imensidão de decibéis. E também as duas noites de sábado em que ele acordou assustado no meio da noite quando alguém passou na rua com o som potente do carro no máximo, ecoando por toda a parte. O Radek não é um fresco chatinho. E, apesar de ser músico, tanto barulho assim nunca fez parte da vida dele. E mesmo eu, quando cheguei ao Brasil depois de dois anos fora, estranhei um bocadinho a barulhada. A verdade é que aqui, para mim, as pessoas são menos barulhentas. Bom… eram. Até aquele momento. É claro que eu fiquei com raiva. Meu! Que raiva ser acordada no melhor do sono por uma música que não gosto. Às SEIS DA MANHÃ! Mas acho que o fato de ser feriado, de o calor ter finalmente aparecido depois de um inverno rigorosérrimo, de logo depois de 15 minutos o sol ter batido na minha cara me acordando alegremente, me fez perdoar o nosso querido SOUSED (vizinho, em tcheco). Ele não estava sad. Nem eu consegui ficar. Viva a alegria que o calor do sol traz ao ser humano. Dei uma corridinha na casa de banho :), tirei umas fotos daquela linda manhã e voltei a dormir. Feliz com aquela melodia húngara a ninar a melhor das sonecas: aquela que você tira depois que acorda e descobre que pode voltar a dormir novamente.

5 comentários:

  1. Acordar, tomar café, dormir novamente...Ah!! Como pequenas coisas de tempos atrás se tornam tão importantes agora!!!! Agora, que quase não temos tempo para ver o sol nascer pela janela....ele está lá todos os dias, mas parece que nós não. Êita vida corrida....que tira de nós os pequenos melhores momentos. Ainda bem que tenho minha linda irmã poetisa para me lembrar deles de vez em quando.

    E quanto ao barulho... bom, o Radek irá se acostumar. Porque o barulho brasileiro não é um barulho qualquer; é alegria, é afeto, é saudade!!!!

    ResponderExcluir
  2. Adorei a foto, a propósito.
    Concordo contigo, o sol para nós brasileiras é como o ar que respiramos, a alegria, a vontade de estar viva, e iniciando um dia sem hora para levantar, melhor ainda.

    ResponderExcluir
  3. Ahhhhhhhhhh!
    Esperei ler na proxima linha que era o Radek escutando música alta!
    Mas como diz a Lê, ele acostuma! A música é o grito das almas em plena festa!
    Bjos fofa!
    Não sabia que estava aí!

    ResponderExcluir
  4. Respondi no meu blog o seu coment, mas venho ´pessoalmente` dizer que quem sabe o Radek tenha se inspirado e com sua veia artística nao faca um pedido semelhante ao Jeffrey? Eita que eu queria ver!

    ResponderExcluir
  5. interessante blog... li uns quantos "posts" e gostei...
    vou seguir com atenção.
    beijo

    (www.minha-gaveta.blogspot.com)

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.