domingo, 5 de junho de 2011

Sobre cerejas e goiabas

Chicletes de cereja. Esmalte cereja. Bala de cereja. Xarope de cereja. Cerejinhas no papel de carta, no de parede. Nos sapatos, no pijama, no arco, nos brincos, na calcinha. Tatuadas cerejinhas. Cereja de bolo, aquela de mentirinha.



Mas a primeira vez que eu verdadeiramente comi um cereja, de verdade, cor de vinho - e não vermelho arregalado, brilhante, doce e com um sabor horripilante – foi na Alemanha, em 2007, na primavera. Umas ‘bitelas’ de cereja, levemente doce, levemente azedo, num potão que detonei em pouco mais de 10 minutos.


Hoje ao chegar no trabalho, a minha chefe me vem com um prato, aliás dois, abarrotados de cerejas, não tão ‘biteludas’ como as alemãs: tenho que ser conzidente com o Gringo. Sempre que vai na Alemanha, o que é praticamente 2 vezes por mês, passa no supermercado e faz sacolão. Ele acha que as frutas e legumes na Hungria são só tipo C, e na Alemanha só tipo A. Coisa de diferença entre Leste e Oeste que parece ser mentira, mas que não é. As maçãs vindas de lá são inacreditavelmente grandes, os tomates lindos, e os pepinos bem mais durinhos hehehe! Mas, claro, nada que se compara ao Brasil. Por isso, muito alemão ainda reclama dos seus vegetais...

Foto tirada por mim, da minha primeira cereja em "drupa de dois"!

Mas voltando às cerejas, as cerejinhas húngaras oferecidas, que apesar de menores ainda eram muito bonitas, resolvi pegar uma e, brinde!, recebi uma segunda, que estava ligada à primeira através do cabinho, verde e fino, em forma de um V. Foi então que dei por mim que as cerejas que tanto vemos nos desenhos, nas imagens e nas tatuagens são, na verdade, algo que, do alto dos meus 27 aninhos, eu nunca vi em Belo Horizonte. E pode até que ser que se encontre. Mas nunca, nunquinha, veio parar nas minhas mãos. Comentei com a minha chefe e, rindo muito, ela me contou que deve ser como para ela é a Guava. Oi? Não chegamos a uma conclusão exata, porque de acordo com a Wikipedia, Guava é um termo genérico para vários tipos de uma fruta chamada Psidium, mas pela minha conclusão é o nome espanhol para Goiaba.

Depois da pesquisa e de voltarmos a trabalhar, a chefe já emendou o pedido: “não me importo de receber como presente de aniversário em dezembro uma Guava. E o presente pode ser entregue em Janeiro, que é quando você estará de volta do Brasil.” Ela me deu quase quatro semanas de férias em pleno Natal e Reveillón. E agora? Puxo, ou encho o saco de goiabas?


2 comentários:

  1. Kell querida,
    Além de nos deliciar com este texto encantador e com as cerejinhas húngaras, somos premiados, ao final, com a maravilhosa notícia das suas quatro semanas de férias!!!
    Já que eu não posso "puxar", comprometo-me a lhe ajudar a "encher" o saco de goiabas!!!
    Mil beijos!!!

    ResponderExcluir
  2. Ia dizer a mesma coisa que a Dri: te ajudo a encher o saco!!!! hahahahahahahaha!!! Tb amei o texto!!!!

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.